Para começar a ler ficção científica

Muita gente me pergunta como começar a ler ficção científica. O gênero pode atrair diversas pessoas e pode também intimidar. Normalmente, os escritores de FC são extremamente prolíficos, com mais de 50 livros cada (isso sem contar o Isaac Asimov, com seus mais de 300 livros). Além disso, o gênero possui diversas ramificações e sub-divisões. Por isso, achei que valia a pena fazer um vídeo (e um post) só sobre isso.

Antes de qualquer coisa, quero esclarecer que não sou especialista em FC. Tudo que eu conheço veio de leituras feitas por diversão. Também acabo lendo muito mais obras de autores que já foram traduzidos para o Brasil (esse processo facilita muito a descoberta, mesmo que de outros títulos).

Bem, existem vários conceitos para definir o que é a FC. Alguns acreditam que tudo que se passe em mundos que não são o nosso (para esse conceito, a literatura que chamamos de fantasia também) é FC, outros acreditam que só aquilo que tem uma base científica muito clara (estudo sobre possibilidades de viagens espaciais, desenvolvimento de línguas próprias etc.) pode ser chamado de ficção científica. Mas existe um senso comum sobre o que é FC, e vamos trabalhar com ele neste post/vídeo.

Como qualquer outro gênero literário, a FC requer interesse, mas também requer alguma iniciação. Dificilmente alguém que nunca leu nada do gênero vai ler Valis e gostar. Existem alguns livros que trazem o universo da FC de forma mais suave ao leitor e é possível começar por eles, mas o período inicial de adaptação sempre será necessário.

É importante que você goste de algum elemento do tema. Se você se amarra em engenharia, talvez uma FC mais hard possa te interessar. Se você se interessa por resolução de conflitos sociais, alguma coisa mais de construção de sociedades diferentes etc.

Vou tentar dividir as indicações por tema:
  • Se você gosta de robôs: Eu, robô, do Isaac Asimov. (Se você já viu o filme, esqueça tudo aquilo e vá ler o livro!) [Cultura | Travessa]
  • Se você gosta de história: O homem do castelo alto, do Philip K. Dick (já falei dele aqui) pode ser uma boa. [Cultura]
  • Se você se interessa por problemas sociais e como eles podem ser resolvidos em diferentes contextos: Os despossuídos, da Ursula Le Guin. [Estante Virtual]
  • Se a questão do gênero te interessa: A mão esquerda da escuridão, da Ursula Le Guin (já falei dele aqui) [Cultura | Travessa] e O conto da Aia, da Margaret Atwood [Cultura | Travessa]
  • Se magia é o seu negócio: Ciclo Terramar, da Ursula Le Guin (ele já foi traduzido em Portugal, então dá para encontrar na internet, mas a versão em inglês também não é difícil).
  • Agora se a diferença entre realidade e simulação é o seu caminho: Ubik, do PKD (já falei dele aqui). [Cultura | Travessa]
  • Para os apaixonados pelos grandes épicos: Trilogia Fundação, de Isaac Asimov. [Cultura | Travessa]
  • Se você é apaixonado por computadores e pensa sobre o ciberespaço no futuro: Neuromancer, do William Gibson. [Estante Virtual]
  • Agora, se você quer um livro incrível sobre o universo, a vida e tudo mais: Matadouro 5, do Kurt Vonnegut. [Esgotado :( ]

Se alguém tiver mais alguma indicação, não deixe de colocar nos comentários hein?

Anúncios

33 pensamentos sobre “Para começar a ler ficção científica

  1. Adorei o post e o vídeo. Sempre gostei muito de ficção científica (em especial Asimov), mas o gênero é realmente um buraco negro. Todo ramificado, enorme, cheio de opções, é sempre difícil escolher, acompanhar. Mas fiquei com as mãos coçando por essas dicas. :)

  2. Luara,

    Estou rindo aqui depois de ler seu post – já tinha lido quando vc publicou e visto o vídeo, e até comentei aqui – e os comentários todos. Acabei debutando na FC com Duna, aproveitando a leitura sugerida pela Denise pro Fórum de novembro. Li e amei!! E aí me vi perdida novamente. O que ler em seguida? Engatar Messias de Duna, que é o nº 2 da saga? Queria talvez uma outra coisa, já que há tantas a serem lidas. Mas o quê?? Estou ouvindo falar muito desse Um Cântico para Leibowitz. Também vejo todo mundo falar da trilogia da Fundação como um clássico imperdível. Tenho no kindle Ubik e O Homem do Castelo Alto do PKD. Tenho dele também, em papel, Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?, que comprei depois de um vídeo da Tati. Como vê, já dei o primeiro passo, mas agora me vejo novamente perdida. Hahahaha. Como você costuma ser indicada – nos blogs e canais literários como os da Tati, Denise, Lua, Gabi, etc – unanimemente como uma grande conhecedora de FC, resolvi voltar aqui pra ver o que ler em seguida. Mas, infelizmente, não cheguei a uma conclusão. Alguma sugestão??

    Não posso deixar de dizer que adoro seus vídeos e seus posts e sinto saudades quando vc “some”. rsrs.

    Beijo grande procê,
    Ana

  3. Luara, peloamordedeus. Faça um post sobre Neuromancer. Coloque um título post-apenas-para-quem-já-leu-o-livro, sei lá, mas faça, por favor. Estou desamparada. Fui nocauteada pelo livro.

  4. nossa! o que é Matadouro 5, hein? Que livro sensacional! Amei demais! Obrigada pela dica. Parti pra Ubik agora – quase chegando ao fim – e estou amando também. Mas Matadouro 5 ganhou um espaço prioritário no meu coração.

  5. Bem interessante a lista, eu acrescentaria:
    O Fim da Infância (Arthur C. Clarke). Conta sobre uma invasão alienígena totalmente diferente de qualquer filme de Hollywood.
    Os Próprios Deuses (Isaac Asimov). A descrição que consta nesse livro de seres vivendo em um mundo paralelo formados por uma estrutura de matéria totalmente diferente da nossa é de uma criatividade única. Sem dúvida um dos melhores que já li.
    Os Três Estigmas de Palmer Eldritch (Philip K. Dick). Pra quem leu Ubik e gostou tem que ler este também.
    E Duna, que na minha opinião é o Senhor do Anéis da FC.

  6. Algumas considerações:
    1- Eu, Robô é mais uma série de problemas filosóficos tornados contos. Eu não recomendaria pra alguém que GOSTA de robôs porque neles as máquinas são só plot devices, não personagens. Pra quem quer começar com algo legal e com personagens robôs, recomendo Astro Boy de Osamu Tezuka ou, numa pegada mais adulta, Caça aos Robôs (e as continuações) do próprio Asimov, que tem o R. Daneel Olivaw, R. Giskard Reventlov, R. Landaree, etc.
    2- “Pra quem gosta de magia” num post sobre FC? Pode isso, produção? FC não admite magia (não, nem sob a definição de “outros mundos que não os nossos”, Jeff Prucher usa essa definição e a termina com “e nesse gênero a diferença é feita com base no científico ou racional em oposição ao sobrenatural”) a não ser que você use a terceira lei de Clarke (e aí não vai ficar uma FC muito legal). Se Contos de Terramar PRECISA ser considerado FC, considere-a science-fantasy. Tem muita gente que vê qualquer tipo de Fantasia ou até mesmo de Realismo que por acaso se passa no espaço, em outro planeta ou que tem uma viagem no tempo e diz que é FC. Isso esvazia o termo.
    3- Eu recomendaria Duna em vez de Fundação. Fundação, tendo sido escrito pelo jovem Asimov publicado originalmente em revistas, é EXTREMAMENTE fragmentado e trata de longas durações como Braudel falou, ou seja: se você piscar, você perdeu informações importantes. Também é meio pulpish, o que me atrapalhou um pouco a leitura. Sei que Fundação é amado demais, e é um “must” da leitura, mas eu achei a leitura tão quebrada que deixei de lado e nem voltei, hahaha.

    • Bem, outras considerações:
      1 – Acho que gostar de robôs é se interessar pelo tema, sendo ele pesado ou não. Gostar é querer discutir sobre aquilo, então acho que a pessoa pode gostar do livro para pensar nesses “problemas filosóficos”.
      2 – Acredito que esse debate esteja bem desgastado né? Mesmo a Ursula Le Guin e a Margaret Atwood se estranharam um pouco quanto a isso. De qualquer forma, eu acho sim que alguém que goste de fantasia pode ler Terramar e (1) gostar da escrita da autora e procurar outras obras ou (2) ver como o desenvolvimento narrativo tem características comuns à FC.
      3 – Eu acho Fundação interessante para quem se interessa por História por ter uma narrativa baseada no Gibbon. As semelhanças estão bem perceptíveis.

  7. Oi Luara,
    Estou apaixonado por você, rs. Adorei o vídeo, excelentes dicas. Eu sou completamente fascinado por ficção científica, em especial Philip K. Dick que é minha paixão maior.
    Gostei da forma como você categorizou a FC. Eu adoraria ter feito esse vídeo com você, ou fazer algo parecido com as minhas dicas, ainda que eu não seja dado a aparecer em vídeos, rs.
    No meu blog já falei (demais) sobre o gênero, em especial sobre os livros do PKD. Se interessar passa lá (no Cooltural) depois para ver o pieguismo do meu amor por esse moço prolífico e de verve tão incrível. Vi que já resenhou “O Homem do Castelo Alto” e “Ubik”, pode esperar comentários meus nesses posts (e futuramente em todos que tratam do tema, rs). “Ubik” foi meu primeiro do PKD, o livro mudou a forma como eu via o gênero e me fez cair de cabeça na FC, e me fez virar tiete do PKD. Eu acrescentaria (dele) nessa lista, o “Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?” e “Realidades Adaptadas” (e todos os outros, rs).
    Entre os demais, excelentes escolhas. Ursula Le Guin e Asimov são ótimos, embora não tenha lido tanto quanto queria deles. Não conhecia o do Kurt Vonnegut, parece muito bom, vou colocar na lista infindável. Tenho essa edição do “Eu, Robô”, mas estou louco para relê-lo na futura edição da Aleph.
    Bom, já falei demais (como sempre, rs). Se quiser trocar figurinhas, contato, informações, dicas ou o que seja, relacionado a FC ou à literatura em si, fica registrado o convite para passar no blog.

    Beijão e mais uma vez parabéns!
    Ademar Júnior
    Blog Cooltural

    • Obrigada, Ademar! Pode deixar que passarei no seu blog para ver os textos sobre o PKD. Estou muito animada que a Aleph vai publicar a biografia dele escrita pelo Carrère, é um grande livro. Beijos.

      • Eu que agradeço, Luara.
        Fico no aguardo da sua visita.
        Eu fiquei bem animado também com a notícia. Parece um livro muito bom, e pela sua resenha dele vir que vou curtir bastante.
        Beijos

  8. Quando decidi começar a ler ficção científica, achei que uma boa porta de entrada seriam os livros dos três grandes mestres da FC: Clarke, Asimov e Heinlein. Assim, meu primeiro livro de FC foi “O fim da infância” do Clarke. Achei viciante, quase enfeitiçante, rs. Não consegui largar até terminá-lo. Considerei o livro bastante abrangente, lidando com vários temas ao mesmo tempo. Mostra como a Terra poderia ser uma utopia, se algumas coisas acontecessem diferentemente.

    Meu segundo livro de FC foi o “Os próprios deuses” do Asimov, de que gostei bem mais do que O fim da infância, apesar de ser menos viciante. As personagens desse livro do Asimov são bem mais cativantes que as do livro do Clarke, no qual todas as personagens pareciam ser quase iguais. Cada personagem desse livro de Asimov me pereceu única, vendo o mundo de sua forma particular e convencida de que suas decisões diante dos acontecimentos eram as melhores possíveis.

    Acabei não lendo nenhum do Heinlein, pois nenhuma sinopse que vi me atraiu tanto quanto as sinopses desses dois anteriores.

      • Também acho legal. Você já leu os livros citados? Bem, para completar um pouco, colo aqui as duas sinopses que me convenceram a ler esses dois livros:

        Sinopse de O fim da infância:

        “Imagine que uma raça de seres alienígenas extremamente avançados acompanhou o desenvolvimento da humanidade ao longo dos últimos cinco mil anos. Por questões éticas, jamais interferiram, mas registraram com os mínimos detalhes [o que inclui filmes] cada momento da nossa história.
        Agora imagine que, um dia, estes seres resolvem se apresentar aos terráqueos. A razão é altruista: eles temem que nós nos extingamos, em decorrência do mau uso da tecnologia nuclear. Eles não interferem em nossa política, em nossa economia, em nosso estilo de vida. Digo, quase não interferem, pois há duas exigências: 1. parar todas as guerras; 2. cessar os maus tratos aos animais.
        E estes seres nos mostram uma tela, onde vislumbramos os 5 mil anos de história, dando-nos conta de que todas as religiões nasceram de algum louco megalomaniaco, ou de alguém muito sábio e bem intencionado que teve a sua idéia distorcida pelos que vieram depois. Como continuar dando a mesma importância às religiões, depois de vermos com nossos próprios olhos que tudo não passou de lendas alimentadas?
        Todo o preconceito, todo o sofrimento, a guerra e a pobreza cessam, tão logo o homem abandona seus dogmas. É o fim das religiões e o surgimento de uma sociedade Secular. Este é “O Fim da Infância”, obra de Arthur Clarke, gênio da ficção cientifica, descrevendo a Terra como uma utopia.
        O problema, entretanto, é maior do que parece: como em toda obra que relata uma utopia, o paraíso oculta serpentes. Qual seria a verdadeira razão da vinda dos extraterrestres ao nosso mundo? Pode acreditar: apesar de parecer que contei muito da história, eu não disse NADA que não estivesse na sinopse do livro.”

        ***

        Sinopse de Os próprios deuses:

        “Frederick Hallam é um cientista medíocre que, um dia, por pura sorte, descobre que é possível fazer transferência de matéria entre universos diferentes. Os seres deste outro universo enviam para o nosso um elemento que para eles é inerte, e em troca enviamos tungstênio, inerte para nós. Estes elementos, quando trocados, se revelam poderosas fontes de energia totalmente limpa. A Terra é conduzida ao paraíso, solucionando seus problemas energéticos.

        Mas seria tudo isso tão simples? Ou haveria efeitos colaterais perigosos, que o medíocre Hallam não percebeu, e que [quase] todo mundo quer fazer de conta que não existe?
        Esta é a história – eletrizante – de Lamont e Denison, dois cientistas “vozes únicas na multidão”, tentando salvar a Terra de um grande engano. É a história de Odeen, Dua e Tritt, alienígenas de outro universo envolvidos numa trama que os fará descobrir da maneira mais dolorosa que é possível e ético se importar com seres de outro mundo.

        A leitura é agradável e realmente prende. É especialmente divertida quando o cenário é outro universo: Asimov descreve com detalhes as relações entre os seres alienígenas, num mundo em que o amor é sempre feito a três, e fazer a dois é que é imoral [e infuncional].
        Isaac Asimov, autor, nasceu na Rússia e foi naturalizado americano ainda criança. É autor de obras que foram convertidas em filmes, como “Eu, Robô” e “O Homem Bicentenário”. Especialista também em escrever histórias de detetive, o que é bem notado mesmo em seus livros de ficção científica, que têm muito de tramas policiais. Asimov morreu em 1992, vítima de complicações desencadeadas pelo virus HIV, que contraiu numa transfusão de sangue em 1983.”

        Essas sinopses cativantes me fizeram procurar os livros correndo.

  9. Boa lista, anotei algumas sugestões e já li os citados do Asimov e Neuromancer. São excelente, a saga da Fundação é a minha favorita.
    Eu queria sugerir, pra quem quiser iniciar em FC, O Fim da Eternidade, de Asimov. Tem uma boa história de amor, sem clichês piegas, além de suscitar a discussão sobre viagens no tempo e universos paralelos.

  10. Vendo videos o lendo os posts que perdi durante minhas férias! Adorei! Já li quase todos da lista, mas justamente o tal do Matadouro eu não li, e agora eu quero! rsr Vou tentar achar! Bjão!

  11. Eu já li alguns livros da sua lista, mas só queria deixar registrado o quão fantástico é Matadouro 5! Você falou dele no finzinho do vídeo e talvez as pessoas não tenham captado toda a genialidade do Vonnegut nesse livro, mas eu acho uma leitura essencial, para quem gosta de ficção científica ou não. É espetacular e se alguém que está lendo esse comentário, ainda não leu esse livro, pare tudo e vá ler! DE NADA! =)

  12. Oi, Luara, amei o layout novo. Ficou lindo, claro e muito confortável pra ler. Parabéns!!
    Já tinha visto o vídeo sobre como começar a ler ficção científica e me interessado bastante. Confesso que é um gênero que custa a me atrair, mas anotei alguns nomes citados por você, pois fiquei curiosa. Até baixei uns pro Kindle, que dei a sorte de encontrar de graça. Vamos ver se engreno na leitura de algum deles. Uma das minhas filhas está acabando de ler a trilogia escrita pela Veronica Roth (Divergente/Insurgente/Convergente). Esses livros também podem ser considerados ficção científica? Li alguma coisa sobre serem classificados como distopia. É isso mesmo?

    Gosto muito do seu blog e do seu canal, viu?

    Um beijo carinhoso pra você,
    Ana

    • Oi, Ana,
      Fico feliz que tenha gostado :)

      Bem, acredito que alguns podem considerar esse livros FC, mas eu prefiro enquadrá-los em outra categoria, já que é uma onda mais contemporânea e com características mais específicas (protagonistas muito jovens, cenários distópicos, relacionamento amorosos conflitantes etc.)
      Beijos

  13. Me identifiquei com todas as categorias! Como pode isso?? o.O Acho que é porque ficção científica é um dos meus gêneros favoritos. Adoro quando uma história te desafia a pensar diferente do que você acostumado. Concordo com você que às você demora um pouco para a gente se adaptar ao clima do livro (aconteceu comigo em A Mão Esquerda da Escuridão), mas vale a pena depois.
    Adorei o post e o vídeo!
    Beijo! =D

  14. Tanto o vídeo como o post ficaram ótimos. Engraçado, eu estava querendo aproveitar essa promoção da Aleph na WMF mas não sabia por onde começar. Estou louca para ler Philip Dick.
    A propósito, seu blog ficou lindo.

  15. Adorei Luara!!!
    Tô andando agora pelo caminho da FC e adorando cada vez mais!!
    Quero muito ler a Ursula Le Guin, acho que vou gostar muito!
    Beijo enorme e ficou linda a cara nova do blog!

    • Oi, Tati, que bom que gostou!
      Eu acho que a Ursula Le Guin vale muito a pena. Claro, existem problemas e o A mão esquerda está longe de ser um livro perfeito, mas de algum jeito ele fala com a gente, sabe?

  16. Gente, esse novo layout ficou uma lindeza!

    Já comentei no YouTube, mas acho que é super legal também pra quem curte os grandes épicos a saga Duna (que tem seus ares de space opera e também é meio fantasia, com forças místicas, profecia…). Só que é meio longo, aí tem que ter uma força de vontade para encarar o livro. Outro que fiquei sabendo que a Aleph vai lançar em breve é o clássico Um cântico para Leibowitz, que recomendo a qualquer um por ser puro amor, mas é particularmente atraente pra quem gosta do pós-apocalíptico. E pra quem gosta de viagem e exploração espacial, 2001 e suas continuações!

    Vi que tem bastante coisa da Ursula Le Guin aqui, e estou com a Mão esquerda na minha lista de espera, mas se a curiosidade falar mais alto posso acabar pulando alguns e lê-la muito em breve. Gostei da divisão, deixa bastante espaço pra pessoa adaptar seu gosto, além de mostrar a variedade de temas da FC. Ótimos post e vídeo!

    • Obrigada, Bruno!

      E sim, Duna é uma lacuna na minha vida de leituras, preciso ler o quanto antes! Nem o filme eu vi, cê acredita?
      Também acho que devia ter colocado 2001, mas tenho medo do monólito assustar as pessoas rs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s